Dois idosos de 104 e 102 anos vencem a Covid-19, no interior do MA


Idosa com mais de 100 anos vence luta contra a Covid-19 em Imperatriz
Dona Raimunda passou 18 dias na UTI e foi a primeira paciente da "Ala Covid-19" do Hospital Regional Materno Infantil.

Após 30 dias internada em Imperatriz, dona Raimunda, de 104 anos, deixou o Hospital Regional Materno Infantil com muitos aplausos, flores e muitas homenagens. Ela é a paciente mais idosa a vencer a Covid-19 no Maranhão.
"A gente queria agradecer todo cuidado e carinho que ela recebeu aqui, porque a gente [da família] não podia ver e confiamos muito em vocês. Então, a gente só tem a agradecer", disse uma das netas, emocionada.

Dona Raimunda passou 18 dias na UTI e foi a primeira paciente da "Ala Covid-19" do Hospital Regional Materno Infantil de Imperatriz e a terceira a receber alta.

Casos públicos
No domingo, dia 7, o G1 contou a história de um dos mais recentes membros do time de vencedores está Francisco Pereira Leite, de 102 anos, maranhense de Tuntum, a 365 km da capital São Luís. Ainda no início do ano, antes da pandemia chegar oficialmente ao Brasil, Francisco veio para a capital fazer exames de saúde e acabou contraindo o vírus. 
Francisco Pereira Leite tem 102 anos e venceu a Covid-19 no Maranhão — Foto: Arquivo Pessoal

No domingo, dia 7, o G1 contou a história de um dos mais recentes membros do time de vencedores está Francisco Pereira Leite, de 102 anos, maranhense de Tuntum, a 365 km da capital São Luís. Ainda no início do ano, antes da pandemia chegar oficialmente ao Brasil, Francisco veio para a capital fazer exames de saúde e acabou contraindo o vírus.

Um dos casos que ganhou repercussão foi no Hospital Universitário Presidente Dutra (HU-UFMA) em São Luís. Jociele Serra Pinheiro, de 38 anos, recebeu alta na unidade após contrair a Covid-19.

Grávida de 26 semanas, Jociele recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após passar 41 dias internada, sendo a primeira paciente a ser internada na UTI para Covid-19 do HU-UFMA em 1º de abril.

Outro caso de pacientes curados no Maranhão foi de Aldene da Silva Nascimento, que ficou internada no Hospital Macroregional de Imperatriz. Quando voltou pra casa, Aldene foi recebida com festa e até foguetório pela família e amigos.

Ficar em casa
Ficar em casa é importante porque, segundo as autoridades de saúde, é a única maneira mais eficaz no momento para frear o aumento repentino no número de casos, o que poderia causar um colapso no sistema de saúde pela falta de leitos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Um colapso causaria a diminuição drástica da capacidade do sistema de saúde em cuidar dos pacientes, o que aumenta a chance de óbitos por Covid-19 e também por outras doenças.

Cuidados
Para evitar a proliferação do vírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.

Fonte: G1