Segunda paciente com HIV pode ter se curado da infecção sem tratamento; entenda

Célula infectada por partículas do vírus HIV, anexas à superfície — Foto: National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID)

Argentina de 30 anos é, possivelmente, apenas o segundo caso conhecido no mundo em que alguém se 'livra' do vírus no corpo sem um transplante de medula óssea e sem tratamento antirretroviral.

Por Lara Pinheiro, g1


Uma argentina de 30 anos pode ser a segunda pessoa no mundo que se infectou e conseguiu se curar do vírus HIV sem a necessidade de tratamento, aponta uma pesquisa publicada nesta terça-feira (16) no "Annals of Internal Medicine".

Segundo o estudo – de pesquisadoras em Buenos Aires e em Boston, nos Estados Unidos –, a mulher vem mantendo uma carga viral indetectável do HIV tipo 1 (HIV-1) há 8 anos, mesmo sem terapia antirretroviral nem transplante de medula óssea.

Nesta reportagem, você vai entender:

  1. A questão em torno do "tipo de cura" alcançado pela paciente – e por que ela nunca poderá ser totalmente comprovada
  2. Os detalhes do caso (a paciente engravidou e deu à luz um bebê sem HIV)
  3. O mecanismo dos 'controladores de elite' para deter o vírus
  4. A diferença entre esse caso e outros dois que também foram curados do HIV – só que com um transplante de medula óssea
  5. Por que o HIV é tão difícil de curar

1. 'Tipo de cura'

Para chegar à conclusão de que a paciente havia, possivelmente, se curado do HIV, as cientistas examinaram 1,5 bilhão de células da paciente. Elas não encontraram nem partículas do vírus que fossem capazes de se replicar nem provírus do HIV – o vírus com o material genético em DNA, que se integra ao DNA das nossas células.

Até agora, só um outro caso do tipo – em uma mulher de 67 anos – havia sido identificado pela ciência (veja detalhes mais abaixo). As duas pacientes se tornaram conhecidas por serem o que se chama de "controladoras de elite" do vírus – pessoas capazes de obter uma "cura funcional" do vírus mesmo sem receber medicamentos (entenda melhor no tópico 3).

"A cura funcional é aquela em que você controla o vírus e não tem mais nenhuma evidência de que ele possa fazer algum mal à saúde. É aquela daquelas pessoas que a gente chama de controladores de elite – não é uma coisa infrequente, acontece em 1% a 3% das pessoas", explica Ricardo Diaz, infectologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que, no ano passado, liderou um grupo de pesquisadores que conseguiram eliminar o HIV de um paciente com um novo coquetel de medicamentos.

"Essas pessoas têm carga viral indetectável – então, aparentemente, o vírus não está se multiplicando de uma forma que a gente consiga enxergar com os métodos de laboratório que tem. E elas não têm uma diminuição da imunidade – não cai o CD4 [tipo de célula de defesa]", completa Diaz.

Só que esses dois casos chamam atenção mesmo entre esses "controladores de elite". Isso porque essas pacientes foram capazes de controlar o vírus de maneira tão eficiente que não há mais nenhum sinal de que ele tenha capacidade de se multiplicar, explica Diaz.

Mas as próprias autoras do estudo alertam que, apesar de ser provável que a paciente tenha obtido o que chamam de "cura esterilizante" do HIV, não é possível provar isso com absoluta certeza.

  1. (Saiba mais aqui. Fonte G1)